Peregrinação Diocesana a Fátima: “Chamados a ser uma Igreja em missão”

Fatima_2017_04

A Diocese de Setúbal esteve, no dia 28 de outubro, em peregrinação ao Santuário de Fátima. Na homilia da Eucaristia a que presidiu na Basílica da Santíssima Trindade, D. José Ornelas afirmou que o grande desafio para a família diocesana de Setúbal é “ser Igreja missionária”.

“Nós, em Setúbal, temos que ser, somos chamados a ser uma Igreja em missão. Cada família tem de ser missionária, cada paróquia tem de ser missionária, cada comunidade religiosa, cada movimento… A nossa Diocese no seu conjunto tem de ser uma Diocese em missão. A isso nos chama o Senhor, a isso nos leva o exemplo da sua Mãe, que Ele deu como Mãe e exemplo aos seus discípulos”, afirmou o bispo diocesano.

Subordinada ao tema “Família de famílias, a caminho com Maria”, a peregrinação diocesana ao Santuário de Fátima iniciou-se com a oração do terço na Capelinha das Aparições presidida por D. José Ornelas, o bispo diocesano. A recitação de alguns dos mistérios desta oração foi feita por um casal do Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar, Bruno e Janete Moreira, acompanhados por uma das suas filhas.

Ainda no período da manhã teve lugar a Eucaristia na Basílica da Santíssima Trindade. D. José Ornelas destacou na sua homilia o facto de a Diocese ter ido, como família, peregrinar aos pés de Maria, Mãe carinhosa das famílias, modelo de Igreja acolhedora e que acompanha a Igreja enviada em missão.

“Não esperem que a família seja perfeita para nela se implicarem e comprometerem”

“Habituada a escutar a palavra de Deus e a meditá-la no seu coração – afirmou o Bispo de Setúbal – Maria revela-se carinhosa e próxima, mas igualmente firme nas dificuldades, forte na dor e sobretudo fiel no amor a Deus e ao seu Filho. Esse é o desafio que Maria, Mãe de Jesus deixa hoje às nossas comunidades e famílias: que saibamos acolher a Deus nas nossas casas, como ela O acolheu na visita do anjo”.

Assim, diz D. José Ornelas, cada família é chamada a “acolher cada um com amor, respeito e ternura”, mas igualmente a fazer um “esforço necessário e honesto para perdoar, superar desavenças, acudir a quem mais precisa”.

O Pastor da Diocese pediu ainda, às famílias, que acolham os familiares mais idosos e lhes proporcionem apoio e dignidade nas suas debilidades. Aos jovens, em particular, disse: “não esperem que a família seja perfeita para nela se implicarem e comprometerem. A vida da família, o nível de satisfação de felicidade de uma família, depende tanto do pai e da mãe, como daqueles mais novos, como os de mais idade”.

“Abrir as portas a todos os que precisam, que batem, que buscam, que se enganam”

A pouco mais de um mês após a morte de D. Manuel Martins, primeiro da Diocese, o atual Bispo lembrou-o como “dom de Deus ao serviço da família de Deus em Setúbal, e um coração aberto para todos aqueles que não tendo ainda sido tocados pela palavra de Deus, se encontraram através dele com a presença de Deus neste mundo”.

Desta forma, D. José Ornelas apelou a que Setúbal fosse “uma Igreja que abre as portas da misericórdia de Deus e as portas das igrejas, a todos os que precisam, que batem, que buscam, que se enganam”. E acrescentou: “Queremos fazer caminho com aqueles que vão sendo tocados pelo Espírito através também do nosso exemplo e da nossa palavra. Queremos ser menos exclusivistas e mais acolhedores, menos juízes e mais misericordiosos, menos fechados nas nossas certezas pessoais ou de grupo e mais abertos à diversidade dos dons de Deus que constroem a Igreja na sua diversidade”.

O Bispo de Setúbal terminou a homilia referindo que a Diocese tem de ser mais missionária e é chamada a reunir e coordenar essa missão: “Esta é a graça que hoje, de um modo especial, quero pedir a Deus, por intercessão de sua Mãe para a nossa Igreja de Setúbal: que seja mais família, que seja mais Igreja e que seja mais Igreja missionária”.

[Para ler a homilia completa de D. José Ornelas, clique aqui.]

Testemunhos de vida: Fátima e Família

A tarde da peregrinação foi dedicada ao painel “Fátima e Família” com a presença de um grupo de oradores convidados a testemunhar a sua relação com Fátima na família, tendo sido animado pelo Coro Juvenil da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição (Setúbal).

A Irmã Ana Luísa Castro, consagrada da Congregação da Aliança de Santa Maria, abriu o painel contextualizando a atualidade da mensagem de Fátima na Família. Seguiu-se, depois, o testemunho do diretor do Externato Diocesano Frei Luís de Sousa, Diácono Fernando Magalhães, que abordou a forma como se vive a dimensão mariana no colégio diocesano.

Assunção Cristas, política, testemunhou a importância de Nossa Senhora no seu percurso de vida uma vez que, enquanto jovem integrava as Equipas Jovens de Nossa Senhora, e atualmente integra o movimento de espiritualidade conjugal Equipas de Nossa Senhora. Cristã, com responsabilidades políticas, Assunção Cristas referiu que o “sim” de Nossa Senhora e a sua disponibilidade foi “profundamente marcante” na sua vida.

Ivo e Marina Nascimento, casal do Montijo que integra as Equipas de Nossa Senhora, abordaram a forma como este movimento os suporta no desafio de ser um casal que testemunha Jesus num mundo interpelador. Já Mónica Lopes, secretária regional do Recurso de Adultos do Corpo Nacional de Escutas em Setúbal, deu o seu testemunho pessoal de relação com Nossa Senhora, enquanto mulher e mãe de família, mas também enquanto dirigente do Corpo Nacional de Escutas. Finalmente, Gonçalo Costa Andrade, da missão Católica Azeitão-Corrane, aludiu à dimensão missionária de Fátima, e a forma como, de uma peregrinação a pé até Fátima nasceu um projeto missionário em Corrane (Moçambique).

O dia terminou com a oração de vésperas presidida por D. José Ornelas e cantadas pelo Coro Diocesano de Setúbal que também tinha animado a Eucaristia.

Dirigindo as últimas palavras ao Povo de Setúbal, o Bispo da Diocese afirmou: “Hoje, em Fátima, viemos dar graças pela vida da nossa igreja de Setúbal. Que ao sair daqui levemos, a todos, o Evangelho da alegria, da solidariedade e da ternura. É a missão para a qual todos somos convidados. É a missão para a qual a Mãe nos envia”, disse D. José Ornelas no final da Peregrinação Diocesana.

Fotos: Ricardo Perna / Texto: Anabela Sousa

29 de Outubro de 2017