Coordenadores de Catequese em formação

Catequese_Formacao_Coordenadores_2017

“A atividade catequética é uma tarefa verdadeiramente primordial na missão da Igreja”. (Catechesi Tradendae, João Paulo II). Para cumprir esta missão, a Igreja precisa de catequistas convictos da sua fé e conscientes da importância da sua missão evangelizadora juntos das crianças, jovens e famílias de cada paróquia.

Perante tão exigente serviço, salta à vista o papel do coordenador ou da equipa que coordena a catequese paroquial, uma vez que é sobre eles que recai a missão de incentivar, organizar e coordenar todo o trabalho de catequese na paróquia, de promover a formação dos catequistas, de valorizar a relação catequese-família e também de encontrar formas de motivar as crianças e os jovens a ver na catequese o caminho para o encontro mais íntimo com Jesus e com o Pai. Compete-lhes, para além de tudo, fomentar o espírito de união entre os catequistas, favorecendo um clima de acolhimento, partilha e confiança entre todos.

Só através da alegria e do amor, num verdadeiro espírito de humildade cristã, é que o coordenador consegue cumprir a sua missão e ser visto como o elo de união, alguém que, pelas suas capacidades de relacionamento humano, carinhoso e afetivo, apoia e ajuda na resolução de conflitos, tendo a preocupação de fazer parte da solução e não do problema.

O coordenador é, por outro lado, o porta-voz da catequese junto da comunidade e dos outros grupos da paróquia, da vigararia e da diocese, contribuindo assim para a existência de um verdadeiro espírito comunitário de comunhão fraterna.

Para estar à altura de tanta exigência, o coordenador deve possuir uma sólida “preparação teológica e pastoral capaz de ajudar os catequistas no seu caminho de formação”.

Estes foram os principais aspetos abordados na segunda sessão de formação de coordenadores de catequese que teve lugar no passado dia 21 de outubro, subordinada ao tema “Coordenação e Catequese”. Este encontro foi dinamizado pela coordenadora Isabel Rosendo que, de uma forma esclarecida, alegre e bem-humorada, nos foi fazendo refletir e rever muitas das nossas convicções e modos de atuação. Fez-nos ver a importância da humildade e da aceitação do outro nesta missão que nos foi incumbida.

Durante a sessão, o destaque foi também para a espiritualidade do coordenador convicto da validade da opção de vida proposta por Jesus Cristo. Como catequista que é, o coordenador “é convidado a cuidar do rebanho do Senhor, é chamado a ser um pastor segundo o coração de Deus” e a propor caminhos de oração e de encontro íntimo com Cristo.

O encontro com a Palavra do Evangelho deu-se durante o trabalho de grupo. Jesus, que é Mestre e Senhor, tem sempre uma palavra, a última palavra. Ele é o exemplo que devemos seguir.

Saímos desta sessão com o coração cheio, mais conscientes da nossa responsabilidade e esperando, com a ajuda de Deus, estar à altura deste grande desafio.

Luísa Pereira, coordenadora de catequese

31 de Outubro de 2017