Convívios Fraternos: Setúbal participou no Congresso e Encontro Nacional comemorativo dos 50 anos

20180913-Encontro-Nacional-CF-01

No último fim-de-semana, 8 e 9 de setembro, o Santuário de Fátima encheu-se de cores com as t-shirts que os convivas vestiam identificando a sua Diocese. Setúbal também se fez presente através de vários jovens e casais que viveram a experiência de um Convívio Fraterno. Juntou-se à festa o nosso Bispo, D. José Ornelas, que concelebrou na Eucaristia de envio no Domingo.

Este fim-de-semana começou com a realização do III Congresso do Movimento que, na comemoração do seu cinquentenário, decidiu reunir com vista a preparar os próximos 50 anos de vida sobre o tema “novos rumos”. O Congresso foi um tempo de partilha e crescimento que confirmou a importância deste Movimento de primeiro anúncio nas Dioceses. É da experiência de um Convívio Fraterno que muitos jovens e casais tomam consciência de uma Igreja viva e de um Corpo do qual todos somos convidados a fazer parte, tomando um lugar de serviço na Igreja, na Paróquia.

Como já é tradição, o Encontro Nacional iniciou com a celebração de penitência e o desfile de cores, desde a Santíssima Trindade até à Capelinha das Aparições, onde os jovens e casais se entregaram à Mãe em oração. Este ano, o desfile teve como centro a Cruz Peregrina que, durante o último ano, percorreu todas as Dioceses de Portugal e outras além fronteiras como Paris e Maputo. Seguiram-se momentos de muito convívio e de acordo com o tema do 45.º Encontro “haja festa de mãos dadas”.

As celebrações antes de Domingo foram presididas por D. João Marcos, Bispo de Beja, que destacou a importância do Movimento na vida das Dioceses e na solidez dos lares fundados sobre a Pedra Angular.

Já no domingo coube a D. António Moiteiro, Bispo de Aveiro, presidiu à Eucaristia de envio e deixou um apelo aos jovens e casais: “há muitas pessoas que ainda não ouviram falar de Jesus” e é responsabilidade de quem O conhece e conhece a Sua mensagem de Amor a partilhe.

Ao longo destes 50 anos, que começaram em Maio de 1968, pela mão do Padre Valente de Matos, em Castelo Branco, num encontro para militares, passaram milhares de jovens em 1360 convívios e mais de 50 convívios de casais.

Em Setúbal, o movimento conta 40 anos de presença e segue vivo pelos que se alegram com o Mandamento Novo.

João Brás, Presidente do Secretariado dos Convívios Fraternos da Diocese de Setúbal

Partilhe nas redes sociais!
13 de Setembro de 2018